quarta-feira, 29 de julho de 2015

'Jogaram gasolina em mim e tentaram me queimar viva', diz vítima de tráfico humano

(Thinkstock)Todos os anos, milhões de homens, mulheres e crianças ao redor do mundo são vítimas de tráfico humano ─ compradas e vendidas como mercadorias para a prostituição e o trabalho escravo.

Trata-se de um comércio que gera altos dividendos. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que o trabalho escravo movimente US$ 150 bilhões (R$ 504 bilhões) por ano. Dois terços disso (US$ 99 bilhões ou R$ 333 bilhões) vêm da exploração sexual.
Mas quem são as pessoas por trás dos números? Kemi e Bilkisu, da Nigéria, Jane, do Reino Unido, e Gabby, dos Estados Unidos, contam à BBC como se tornaram vítimas dos traficantes.

Kemi, da Nigéria

Milhares de mulheres do oeste da África são compradas e vendidas todos os anos ─ a maioria delas acaba na Europa. O UNODC (Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime) estima que as vítimas do tráfico de pessoas na região ─ boa parte delas provenientes da Nigéria ─ corresponde a quase 10% das pessoas forçadas a se tornar trabalhadoras do sexo na Europa Ocidental.
Benin City, no sul da Nigéria, é uma cidade-chave nesse esquema - com redes e infraestrutura montadas em trono do tráfico de pessoas.
Lá, os traficantes buscam meninas que querem viajar e as seduzem com promessas de trabalho e estudo. Eles lhes dão documentos falsos e dizem que elas precisarão pagar o custo da viagem quando chegarem ao país de destino.
Traficantes buscam meninas que querem viajar e as seduzem com promessas de trabalho e estudo
Uma vez recrutadas, as meninas muitas vezes são forçadas a participar de rituais para garantir que vão cumprir com o prometido.
Uma mulher que atua como negociante de pessoas em Benin City diz que traficantes costumam arrancar as roupas e até os cabelos das meninas. Pelos da região pubiana e das axilas também são raspados. Ao fim do processo, elas são entregues a um 'padre' em uma cerimônia como prova de que pagariam suas dívidas.
"Com todas essas coisas que eles tiravam delas, as meninas tinham medo de que alguma coisa pudesse acontecer", conta Kemi.
Benin City, na Nigéria, tornou-se polo de tráfico de humanos
Uma dessas meninas que foi vítima das mentiras dos traficantes é a própria Kemi. Ela recebeu a promessa de uma nova vida na Itália ─ onde poderia enviar dinheiro para ajudar sua família.
"Eles disseram: 'Nós queremos mudar a sua vida. Queremos que você seja feliz", relata.
Em sua chegada à Itália, Kemi soube que teria de trabalhar como prostituta. Ela se recusou, mas ficou sem comida e seu celular foi confiscado como punição – depois disso, se viu obrigada a obedecê-los.
"No final, eu trabalhei por três anos e três meses (como prostituta)", diz.
Durante esse período, Kemi entregou um total de 27 mil euros (R$ 100 mil) a seus traficantes ─ uma quantia que não os deixou satisfeitos.
(BBC)
Kemi conta ter sido seduzida por traficantes em troca de promessa de trabalho e estudo
Depois de um tempo, ela finalmente encontrou forças para deixar o lugar onde vivia e fugiu rumo a casa de amigos. No entanto, acabou deportada pelas autoridades italianas e teve de voltar para a Nigéria algum tempo depois.
Sem nada para levar consigo de todo o tempo que passou fora de seu país, Kemi decidiu não voltar para a casa de sua família.
"Eu tinha vergonha de ir para casa", conta, chorando. "Eu tinha vergonha de voltar sem nada."
Agora, traumatizada por suas experiências, ela sente raiva dos traficantes. "Eles são maus. A mulher que me vendeu tinha duas filhas. Ela está colocando as duas nas melhores escolas com o dinheiro que ganhei vendendo o meu corpo."

Bilkisu e Jane, Reino Unido

Centenas das vítimas do tráfico humano vindas da Nigéria acabam no Reino Unido, onde elas geralmente enfrentam exploração sexual ou uma vida de serviço doméstico forçado.
Cerca de 244 das 2 mil potenciais vítimas denunciadas às autoridades britânicas em 2014 vinham da Nigéria, segundo a Agência Nacional do Crime, um aumento de 31% comparado com o ano anterior. O único país com um número maior de potenciais vítimas é a Albânia.
Bilkisu é uma das mulheres enviadas da Nigéria para o Reino Unido com pretensões falsas. Desde que tinha 15 anos de idade, foi mantida como escrava – trabalhando longas horas sem salário durante 10 anos.
Crianças muito novas são vítimas de traficantes ao redor do mundo
Quando chegou ao Reino Unido, a garota nigeriana achava que teria um lugar para ficar com seu tio e a chance de continuar seus estudos, além de conseguir enviar um dinheiro extra para sua família ─ ela achava que poderia dar uma vida melhor para eles.
No entanto, uma vez no Reino Unido, a jovem se viu forçada a ser empregada doméstica e babá para a família de seu tio. Ela começava a trabalhar às 5h e terminava às 21h.
"Arrume as crianças para a escola, dê banho nelas, dê café da manhã, passe as roupas..", conta Bilkisu, ao descrever sua rotina. "E além disso, tinha que fazer tudo para minha tia e meu tio, arrumar as roupas deles para que eles pudessem ir ao trabalho".
Durante o dia, a jovem limpava o apartamento de três quartos. Se sua tia não ficava satisfeita com o trabalho, a menina apanhava dela.
"Estava sozinha…sabe quando você está dentro de um buraco e não há luz, está tudo escuro. Tudo estava preto. Eu sentia assim."
Nos nove anos em que Bilkisu trabalhou para o tio e a família dele, não teve um único dia de folga e tampouco recebeu pagamento.
Somente quando fez 20 anos, Bilkisu teve coragem para buscar socorro. Ela conseguiu fugir com a ajuda de um pastor da igreja local.
Mas depois de ter tido a infância roubada, ainda tem dificuldades para socializar.
"Eu não sei mais como fazer amigos", explica. "Os danos ainda estão aí, não sei, acho que vão ficar comigo para sempre."
Diferentes de Bilkisu, muitas crianças vítimas do tráfico humano no Reino Unido são comercializadas por todo o país. O governo britânico acredita que, atualmente, existam 13 mil crianças sendo exploradas dessa maneira no país.
Jane tinha apenas 13 anos quando foi capturada e abusada, antes de ter sido vendida por grupos de traficantes no Reino Unido para exploração sexual.
Tudo começou quando ela estava na escola. Um homem de cerca de 70 anos, que sabia que ela tinha uma família instável, começou a lhe oferecer presentes.
Pouco depois, ele começou a pedir pagamento em 'favores' sexuais e, conforme o tempo foi passando, ele começou a levar Jane para outros homens asiáticos.
No início, os homens davam uma volta de carro com ela, ofereciam drogas e tiravam fotos inapropriadas dela, conta Jane. Mas o abuso foi piorando.
"Em algumas semanas, o homem mais velho começou a trancar a porta com os homens dentro e eles queriam sexo. E eles filmavam, tiravam fotos. Me davam drogas."
Logo, Jane estava sendo 'trocada' por diferentes grupos de homens pelo país ─ muitos deles ficavam bem longe dali. Eles se encontravam em postos de gasolina para passar a garota de um carro para o outro.
Quando ela tentava resistir, os homens ficavam violentos e ameaçavam sua família.
"Eles me jogavam pra fora do carro. Queimavam meu cabelo, chegaram a quebrar ossos do meu rosto. Eles tentaram jogar gasolina e colocar fogo em mim", relata.
Aos poucos, Jane foi perdendo as forças para lutar. Ela sofreu várias lesões no crânio e no nariz e ficou com um dano interno irreparável.
"Fiquei com medo do que estava acontecendo. Acho que porque começou quando eu ainda era muito nova e, depois de um tempo, você começa a pensar que é só para aquilo que você serve."
Jane foi abusada por nove anos ─ algumas vezes, todos os dias. Ela conta que, para piorar sua situação, a polícia e outras agências não acreditavam no que ela dizia. Jane só conseguiu escapar quando entrou em contato com o Exército da Salvação.
"Eu não tinha muito o que dizer, eles só entenderam e disseram: 'Não é culpa sua, nós podemos te ajudar'. Depois de algumas horas, havia um carro ali para me levar para um lugar seguro."

Gabby, dos Estados Unidos

Existe uma história parecida nos Estados Unidos, onde dezenas de milhares de crianças são traficadas para a prostituição. O FBI, a polícia federal americana, diz que exploração sexual de menores acontece em um "nível quase epidêmico".
Gabby, de Baltimore, conta que foi abusada por seu pai dos oito aos 12 anos ─ uma relação que ela acredita ter influenciado a maneira como ela interage com os homens.
"Eu aprendi muito cedo que era possível conseguir muita coisa por meio de favores sexuais", diz.
Gabby conta que se viciou em drogas e teve um relacionamento com um dependente de drogas que, anos depois, a levou para a prostituição.
"Eu não hesitei porque sentia que ele tinha cuidado de mim por todo aquele tempo e eu confiava nele. Acho que o plano dele era ganhar minha confiança de qualquer maneira."

(BBC)
Gabby conta que se viciou em drogas e teve um relacionamento com um viciado que, anos depois, a levou para a prostituição
Não demorou muito para Gabby descobrir que seu namorado não passava de um cafetão, como tantos outros que ficavam nas ruas aliciando mulheres usuárias de drogas para transformá-las em prostitutas.
"O cafetão fica com seu carro em uma esquina próxima onde suas meninas estão trabalhando para que elas saibam que ele está vigiando o trabalho delas de perto. Elas ficam com medo de correr. Quando eu estava lá, outras cinco meninas também estavam na mesma situação."
Gabby conseguiu fugir das ruas e abandonou seu namorado. Com ajuda da terapia, está tentando compreender tudo o que passou na sua vida. Mas ela conta que para muitas meninas que estão nas ruas ─ confusas, cheias de medo e envolvidas nesses relacionamentos ─ permanecer ali é uma questão de sobrevivência.
*Matéria produzida pelos repórteres da BBC Sam Piranty, Jacky Martins, Lucy Rodgers, Dominic Bailey e Gerry Fletcher
Para denunciar o tráfico de pessoas no Brasil, contate o Núcleo de Assistência a Brasileiros, Divisão de Assistência Consular, pelos telefones (61) 3411-8803/ 8805/ 8808/ 8809/ 8817/ 9718/6456, ou ainda pelo e-mail: dac@mre.gov.br.