sexta-feira, 22 de setembro de 2017

PRECONCEITO EM CIDADE PEQUENA

Advogado Antônio Mariz de Oliveira afirma que deixará a defesa de Michel Temer

O advogado Antônio Mariz de Oliveira informou à TV Globo nesta sexta-feira (22) que deixará a defesa do presidente Michel Temer. O criminalista alegou que tomou a decisão de se desligar das ações judiciais que envolvem o presidente da República por questões éticas, em razão de ter atuado na defesa do doleiro Lúcio Funaro, que fez acusações contra Temer em seu acordo de delação premiada.
Amigo pessoaL de Temer, o advogado Antônio Claudio Mariz de Oliveira foi o responsável pela defesa do presidente na tramitação da denúncia de corrupção passiva (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O advogado de Temer tornou pública a decisão de deixar a defesa do presidente um dia depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) encaminhar para a Câmara dos Deputados a nova denúncia contra o peemedebista apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR) por organização criminosa e obstrução de Justiça.
ENTENDA OS ÍNDICIOS CONTRA TEMER
Antônio Mariz de Oliveira disse ao repórter Valdo Cruz, da GloboNews, que apresentará nesta sexta-feira a Temer uma lista com quatro sugestões de advogados para substitui-lo no comando da defesa do presidente. O criminalista não quis adiantar os nomes que irá sugerir.
Embora esteja deixando oficialmente a defesa, Mariz disse à GloboNews que, em razão de sua amizade com o peemedebista, continuará aconselhando Temer em questões jurídicas.
Ele disse que se sentiu eticamente impedido de continuar à frente da defesa de Temer, na medida em que já atuou como advogado de Funaro.

A denúncia na Câmara

A expectativa era de que o primeiro passo da tramitação da denúncia na Câmara, a leitura em plenário, ocorresse já nesta sexta.
No entanto, a leitura foi adiada para a próxima semana porque, na manhã desta sexta, não houve presença de, pelo menos, 51 deputados, número mínimo de parlamentares para a abertura da sessão de plenário. A leitura é uma formalidade para o processo ter andamento na Casa.
Caberá aos deputados federais decidir se autorizam ou não o STF a apreciar a denúncia em meio ao mandato de Temer. A primeira denúncia, por corrupção passiva, foi rejeitada em agosto pela Câmara após 36 dias de tramitação na Câmara.
A votação da nova denúncia, avaliou o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pode ocorrer em outubro. Para a acusação da PGR contra o presidente seguir ser analisada pelo Supremo, são necessários os votos de, no mínimo, dois terços dos deputados, ou seja, 342 dos 513.
Se os deputados derem aval para a denúncia seguir para o STF, os ministros da mais alta Corte do país poderão analisar se aceitam ou não a acusação. Neste caso, Temer se tornará réu e será afastado do comando do Palácio do Planalto por até 180 dias.
Por outro lado, se a Câmara não der aval ao prosseguimento desta nova denúncia – como fizeram em agosto – a acusação do Ministério Público ficará parada até o fim do mandato de Temer, em 31 de dezembro de 2018.

A delação de Funaro

Apontado como operador de políticos do PMDB, Funaro afirmou aos procuradores da República, em um dos depoimentos de sua delação, que tem "certeza" de que Temer recebia parte da propina paga no esquema que atuou na Caixa Econômica Federal e envolvia peemedebistas da Câmara.
Funaro também disse à Procuradoria Geral da República (PGR) que o advogado José Yunes, amigo e ex-assessor de Temer, era um dos responsáveis pela gestão do dinheiro supostamente repassado a Temer. Além disso, destacou o novo delator da Lava Jato, Yunes fazia a lavagem de recursos obtidos por meio de cobrança de propina por meio da compra de imóveis para o presidente da República.
De acordo com Funaro, para lavar o dinheiro e disfarçar a origem, Yunes investia os valores ilícitos em sua incorporadora imobiliária.Os depoimentos de Lúcio Funaro ao Ministério Público Federal (MPF) foram utilizados pela Procuradoria Geral da República (PGR) na segunda denúncia apresentada contra Temer, por organização criminosa e obstrução de Justiça, e que foi enviada à Câmara dos Deputados na quinta.
Em um dos trechos da denúncia, o doleiro contou que obras das hidrelétricas do Rio Madeira realizadas por Furnas – empresa vinculada ao Ministério de Minas e Energia – resultaram no pagamento de propina a Temer e para os ex-deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN).
A PGR aponta também que Funaro teve participação em um esquema no Ministério da Agricultura do qual o empresário Joesley Batista, da JBS, se aproveitou.
O esquema, segundo a PGR, foi montado por Eduardo Cunha – com o aval de Henrique Eduardo Alves e Michel Temer – para obter a revogação de um ato normativo que autorizava a aplicação de vermífugos de longa duração e diluição. Assim, voltaram a ser usados vermífugos de prazo de absorção mais curto, facilitando a exportação das carnes.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Marcelo Rezende piora e tem falência múltipla dos órgãos

Resultado de imagem para marcelo rezendeNa luta contra o câncer, o apresentador da TV Record, Marcelo Rezende, teve sua situação agravada nos últimos dias. Segundo o colunista do programa "Melhor Pra Você", Vladmir Alves, da Rede TV!, Rezende teve falência múltipla dos órgãos, em decorrência de uma pneumonia. 

"O câncer avançou e comprometeu todo o aparelho digestivo. Há, também, séria falência em alguns órgãos", afirmou Alves. O jornalista está sob observação no hospital Moriah, na Zona Sul de São Paulo, desde a última terça-feira.
Em maio, Marcelo Rezende foi diagnosticado com câncer no pâncreas, que também atingiu o fígado. Durante o tratamento, ele optou por não fazer quimioterapia, por uma razão religiosa. 
Com 30 anos de profissão, o apresentador comandava o programa policial "Cidade Alerta", da Record,quando se afastou devido à doença. Rezende também tem passagens pelas organizações Globo, RedeTV! e Bandeirantes.

TU ÉS GAY?

Comissão aprova foro privilegiado a militar que cometer crime contra civil

A Comissão de Relações Exteriores do Senado aprovou nesta quinta-feira, 14, projeto que transfere à Justiça Militar o julgamento de crimes dolosos, como homicídios, praticados por militares contra civis, desde que durante missões. Atualmente, a lei prevê que a Justiça comum seja responsável por esse tipo de caso.
Resultado de imagem para militaresA medida tem como pano de fundo o aumento da utilização das Forças Armadas em ações de segurança pública, como o policiamento em comunidades do Rio de Janeiro ou durante a greve de policiais no Espírito Santo, no início do ano.
“Um tribunal do júri é muito lento. Às vezes ocorre um crime doloso por parte do militar, em ação militar, isso demora até anos para ser julgado e ele é prejudicado tremendamente”, afirmou o senador Pedro Chaves (PSC-MS), relator da projeto no Senado. Segundo Chaves, o projeto apenas reconhece uma jurisprudência já definida pelo Superior Tribunal Militar (STM) de que eventuais crimes cometidos por militares em missões devem ser julgados por um tribunal militar.
Em manifestação no ano passado, porém, o Ministério Público Federal foi contrário e disse que o projeto é inconstitucional. Segundo nota técnica da procuradoria, a Justiça Militar deve julgar apenas os crimes relacionados diretamente com o exercício de atividades de natureza estritamente militar e, em hipótese alguma, usada para julgar civis ou violações de direitos humanos.
Originalmente, o projeto previa a validade do foro privilegiado aos militares apenas até 2016, tendo em vista a utilização do Exército na Olimpíada do Rio e na Copa de 2014. Segundo Chaves, porém, a ideia do governo é que o presidente Michel Temer vete o trecho do projeto que prevê o prazo e torne a previsão permanente.
A proposta ainda precisa ser votada pelo plenário do Senado antes de ser enviada para a sanção presidencial.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Respondendo ao video sobre o Museu Queer

Irmão de Joesley, Wesley Batista é preso em São Paulo

Polícia Federal prende Wesley Batista, irmão de Joesley Miro de Souza/Agencia RBSA Polícia Federal (PF) prendeu temporariamente, na manhã desta quarta-feira (13), o empresário Wesley Batista, um dos donos da JBS, irmão de Joesley Batista. Ambos são investigados por manipularem o mercado financeiro ao usarem as próprias delações premiadas, cuja divulgação traria impactos na cotação do dólar e no valor das ações da empresa, para obter lucros. As irregularidades teriam ocorrido entre abril e maio deste ano.
A ordem foi expedida pela 6ª Vara Criminal de São Paulo, a pedido da PF. Joesley, já preso desde domingo (10) após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, também é alvo da ação da PF, com mais um mandado de prisão. Foram cumpridos, ainda, dois mandados de busca e apreensão. 
A operação recebeu o nome Acerto de Contas e é a 2ª fase da Operação Tendão de Aquiles, que, em 9 de junho, apreendeu documentos, mídias, telefones celulares e informações de HDs em dois endereços da JBS.
A primeira fase da Operação Tendão de Aquiles foi acompanhada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM – responsável por apurar irregularidades no mercado financeiro) e cumpriu três mandados de busca e apreensão, além de quatro de condução coercitiva.
Entenda a investigaçãoA Polícia Federal atua em duas frentes. Uma foi a venda de ações da JBS na Bolsa de Valores, entre 24 de abril e 17 de maio, por sua controladora, a FB Participações, durante o programa de recompra de ações da empresa, reiniciado em fevereiro de 2017.
A segunda investigação foi a compra de dólar no mercado futuro (com valor da cotação acertado previamente) horas antes da divulgação de Joesley e Wesley fizeram delação premiada. O volume de compra, diz a PF, não foi como de costume da empresa, o que demontra o uso irregular de informação privilegiada. 
As autoridades afirmam que Joesley e Wesley foram responsáveis pelas duas irregularidades.
Em nota, o advogado dos irmãos Batista, Pierpaolo Bottini, afirma que a prisão é "injusta e absurda". “Sobre a prisão dos irmãos Batista no inquérito de insider information, é injusta, absurda e lamentável a prisão preventiva de alguém que sempre esteve à disposição da Justiça, prestou depoimentos e apresentou todos os documentos requeridos. O Estado brasileiro usa de todos os meios para promover uma vingança contra aqueles que colaboraram com a Justiça”.
Os investigados poderão ser responsabilizados pelo crime previsto no artigo 27-D da Lei 6.385/76, com penas de 1 a 5 anos de reclusão e multa de até três vezes o valor da vantagem ilícita obtida.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Polícia e Ministério Público realizam operação para prender bombeiros do RJ

Suspeito preso na operação chega à Cidade da Polícia, no Jacarezinho (Foto: Bruno Albernaz / G1)A polícia e o Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) prenderam 28 pessoas, até as 9h15 desta terça-feira (12), em uma operação que visa cumprir mandados de prisão contra 38 pessoas, das quais 35 são bombeiros suspeitos de receber propina para conceder licenças a estabelecimentos comerciais.
Durante as investigações, foram interceptadas conversas telefônicas sobre um esquema de corrupção para expedir alvarás mediante o pagamento de propina aos militares. Os comandantes de alguns batalhões estão entre os citados na operação.
Entre os 35 bombeiros denunciados estão dez coronéis, sendo dois da ativa e oito da reserva, oito tenentes coronéis, dois majores, oito capitães, um primeiro tenente, um subtenente, três segundos sargentos, um terceiro sargento e um cabo bombeiro. Também estão sendo cumpridos 67 mandados de busca e apreensão nas residências dos suspeitos e na Diretoria de Serviços Técnicos e nos gabinetes e armários de denunciados.
O esquema de corrupção ocorria principalmente no setor de engenharia do 4.º Grupamento do Bombeiro Militar de Nova Iguaçu, do 14.º Grupamento do Bombeiro Militar de Duque de Caxias e do Grupamento de Operações com Produtos Perigosos, do qual participavam oficiais bombeiros militares responsáveis por expedir documentação indispensável para o funcionamento de qualquer estabelecimento comercial. Os presos estão sendo levados para a Cidade da Polícia.As investigações começaram a apurar a prática criminosa no grupamento de Nova Iguaçu, mas a polícia identificou que o grupo atuava em um âmbito maior e a prática criminosa atuava em outros municípios.
Dentre os mandados de prisão, expedidos pela 1ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, estão os de dois assessores especiais do Comandante Geral do CBMERJ, dos comandantes da Baixada Fluminense, Nova Iguaçu, Irajá, (ex-comandante de Duque de Caxias), GOPP, Copacabana, Campinho, Jacarepaguá e do Destacamento de Paracambi, além de sete coronéis da reserva.
Os militares recebiam propina para expedir os laudos técnicos de diversos estabelecimentos comerciias, tanto de pequeno, médio e grande portes. Para conceder essas licenças os bombeiros deveriam avaliar as instalações hidráulica e elétrica, assim como o posicionamento da saída de emergência e outros aspectos ligados a segurança do local. As licenças eram vendidas por R$ 750 até R$ 30 mil, dependendo do tamanho do estabelecimento.De acordo com a denúncia do Ministério Público, três grupos atuavam no Corpo de Bombeiros. O primeiro era o núcleo da liderança, composto por assessores especiais de um comandante da corporação. Desse núcleo faziam parte Ricardo Luiz Ferreira de Aguiar e José Augusto da Cunha Bandeira, contra os quais estão sendo cumpridos mandados de prisão. A dupla indicava os responsáveis pelos quartéis apenas para aqueles que aceitassem participar do esquema.
O segundo núcleo era o da engenharia, composto pelos bombeiros responsáveis pela liberação dos alvarás e licenças dos estabelecimentos comerciais. O terceiro núcleo era composto por bombeiros da ativa e da reserva responsáveis por intermediar o esquema de propina, ou seja, era eles que recebiam o dinheiro dos comerciantes.
O primeiro militar preso que chegou à Cidade da Polícia, por volta das 6h40, foi um capitão do Corpo de Bombeiro do Recreio, na Zona Oeste.

domingo, 10 de setembro de 2017

A mulher que se prepara para o Alzheimer aos 27 anos: 'Entro em pânico cada vez que me esqueço de algo'

Jayde GreenEla acaba de descobrir, por um teste genético, que tem a mesma mutação em seu DNA que fez com que seu pai apresentasse os primeiros sintomas do mal de Alzheimer aos 42 anos. Jayde tinha 12 anos.
"Quando eu fiz 14, ele praticamente já tinha esquecido quem eu era", diz ela à jornalista Hannah Morrison, do programa Victoria Derbyshire da BBC.
Jayde morava sozinha com seu pai quando ele ficou doente. Começou a notar que ele estava tendo brancos e de repente passava a repetir as mesmas perguntas sem se lembrar de conversas que eles já haviam tido sobre aquele assunto.
A saúde dele se deteriorou rapidamente e, logo depois, a jovem passou a morar com seus avós. Seu pai foi internado numa clínica.
  • 'O prazer do desapego': minimalistas defendem que ter menos coisas cria mais liberdade
  • Furacão Irma atravessa Cuba e já causa chuva forte e ventania na Flórida, de onde 6 milhões de pessoas foram evacuadas

Esquecimento

"Quando fui visitá-lo, ele não fazia ideia de quem eu era. Ele sorria, mas não estava me vendo. Seu olhar estava fixo", diz.
Ela conta que ter que lidar com essas dificuldades enquanto ainda era adolescente foi tão brutal que acabou deixando de visitar seu pai com frequência.
"O tempo foi passando e um dia me disseram que ele havia morrido", afirma ela.
O pai de Jayde tinha um irmão gêmeo que também teve a doença antes dos 45 anos.
Em geral, o mal de Alzheimer costuma ser diagnosticado em pessoas com mais de 65 anos. Quando aparece antes dessa idade, é considerado precoce.
Pesquisadores já identificaram várias mutações genéticas que desencadeiam a doença prematuramente ao longo de várias gerações.

Problema de família

Jayde sabia que tinha um risco de desenvolver o mal de Alzheimer precocemente, mas não se preocupava muito com isso - até ter um filho, Freddy.
"Você sente o peso da responsabilidade quando tem um filho. Você começa a se preocupar com o futuro e com sua saúde, porque tem que estar presente para ele", afirma.
Por isso, ela decidiu fazer uma análise genética. Três semanas depois, chegaram os resultados, confirmando que ela tinha as mesmas mutações que seu pai.
"Praticamente desde o dia em que ele nasceu tenho um caderno no qual escrevo coisas para o Freddy. Quero que ele saiba como me sinto, porque pode ser que eu não esteja presente em seu futuro para contar", explica.Agora, Jayde sabe que há 50% de chances de que seu filho, hoje com um ano, também tenha Alzheimer precocemente.
"É meu maior medo. Não aguento pensar que ele pode passar por isso e que sua vida seja encurtada. Meu segundo maior medo é que não consiga vê-lo crescer, que não esteja ao seu lado para apoiá-lo", lamenta.
No momento, Jayde não tem nenhum sintoma da doença e participa de vários testes clínicos.
"Me apego à ideia de que ainda tenho mais 15 anos antes de ficar doente", diz ela. "(Mas) cada vez que me esqueço de algo, entro em pânico", completa.Ela diz que se obriga a lutar contra esse medo e se pensar no tempo de uma maneira positiva.
"Quero viver no presente, fazer tudo o que puder desde já", resume.
Como as causas exatas do mal de Alzheimer são desconhecidas, pesquisadores ainda não chegaram a conclusões sobre como se prevenir.
Mas existem pistas.
O NHS, o sistema de saúde pública britânico, recomenda não fumar, reduzir o consumo de álcool, manter um peso saudável e um dieta balanceada.
Também diz que estar sempre física e mentalmente ativo pode reduzir o risco de desenvolver a doença ou pelo menos retardar seu aparecimento.

Ex-astro mirim americano é encontrado morto em casa

Blake HeronO ator Blake Heron, famoso por protagonizar Shiloh: O Melhor Amigo, foi encontrado morto na manhã desta sexta-feira, dentro de sua casa em Los Angeles. Segundo o site americano TMZ, o ator havia saído da reabilitação poucos dias antes.

Delação de Funaro: Temer recebeu e intermediou propinas

Durante mais de uma década, o doleiro Lúcio Bolonha Funaro, de 43 anos, atuou como consultor financeiro e banqueiro informal do PMDB. Funaro é aquilo que no jargão político-policial também é chamado de “operador”, o encarregado de fazer a aproximação entre quem paga e quem recebe propina, o elo entre políticos corruptos e empresários corruptores.

 Depois de três meses de negociações, o Supremo Tribunal Federal homologou, na terça-feira 5, o acordo de delação do doleiro, que está preso há 434 dias. VEJA teve acesso ao roteiro com os detalhes sobre o que ele se comprometeu a contar às autoridades. Na lista de revelações estão subornos a parlamentares, venda de legislação e grandes esquemas de corrupção. A parte mais delicada envolve o presidente Michel Temer. São relatos em que o presidente aparece fazendo lobby para políticos, cobrando repasses de caixa dois e, também, como destinatário de propina.

O doleiro diz que nunca conversou sobre dinheiro diretamente com Temer, “pois essa interface era feita por Eduardo Cunha”, mas declara que era informado por Cunha sobre as divisões da propina. Ele garante que Temer “sempre soube” de todos os esquemas tocados pelo ex-deputado. “Temer participava do esquema de arrecadações de valores ilícitos dentro do PMDB. Cunha narrava as tratativas e as divisões (de propina) com Temer”, acusa. O delator cita dois repasses a Temer. Um deles, de 1,5 milhão de reais, veio do grupo Bertin. O segundo, em 2014, saiu de um acerto com a JBS. Funaro conta ter intermediado um pagamento de 7 milhões de reais da JBS que tinha como destinatários Temer, Cunha e o ministro da Agricultura na ocasião, Antônio Andrade. O presidente ainda teria intermediado um pagamento de 5 milhões de reais de Henrique Constantino, do Grupo Constantino, à campanha do então deputado Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo, em 2012.

Fachin determina prisão de Joesley Batista e Ricardo Saud

Empresário Joesley Batista em São PauloO ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin mandou prender os empresários Joesley Batista e Ricardo Saud, do grupo J&F, em atendimento ao pedido enviado pelo Procurador-Geral da República Rodrigo Janot nesta sexta-feira. Fachin negou, no entanto,  edido para deter o ex-procurador da República Marcelo Miller. Os mandados podem ser cumpridos ainda neste domingo.



Fachin determinou que os dois terão de cumprir inicialmente prisão temporária, com prazo inicial de cinco dias e que poderá posteriormente ser estendido por igual período, ou convertida em prisão preventiva, quando não há prazo para acabar.
O pedido para prender os dois delatores da J&F e Miller havia sido apresentado ao STF sob sigilo pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na noite da sexta-feira, no momento em que o ex-procurador estava depondo no procedimento aberto pelo chefe do Ministério Público Federal (MPF) para revisar o acordo de delação premiada de Joesley, Saud e do advogado Francisco de Assis e Silva, também diretor do grupo.

A Escravidão e os Evangélicos.

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Grito dos Excluídos pede direitos e cidadania em várias cidades do Brasil

Resultado de imagem para grito dos excluidosEm várias cidades de todas as regiões do Brasil, a 23ª edição do Grito dos Excluídos reuniu milhares de pessoas no feriado de 7 de Setembro. O mote deste ano da tradicional mobilização é "Por direito e cidadania, a luta é todo dia". Entre as reivindicações, estão a preservação, a ampliação de direitos sociais e críticas às reformas propostas pelo governo, como a trabalhista e a previdenciária, e a reversão do decreto que extingue uma reserva mineral na Amazônia.
Em Brasília, a concentração começou às 9h. De um lado da Esplanada dos Ministérios, a cúpula do governo federal assistia, ladeada por milhares de pessoas, o desfile cívico-militar. Do outro, próximo ao Museu da República, movimentos sociais e ativistas protestavam em defesa da democracia e contra as reformas propostas pelo governo, como a trabalhista e a previdenciária. O número de participantes não foi divulgado.
Ao longo de toda a manhã, cantadores, rappers, batuqueiros e outros integrantes da articulação "Artistas pela Democracia" dividiram o palco com organizações da sociedade civil que, uma a uma, apresentaram suas reivindicações. Crianças também participaram do ato, pintando e erguendo cartazes em defesa da Amazônia, da reforma agrária, da demarcação de terras indígenas e de direitos sociais, como educação.
Por volta das 11h30, o grupo saiu em caminhada em direção ao Congresso Nacional, pedindo a saída do presidente da República Michel Temer. "O Grito dos Excluídos sempre faz a defesa da vida. Neste ano, acrescentamos a questão da defesa da democracia e também a luta por direitos, por conta da conjuntura que estamos vivendo. Por isso, várias pessoas entoaram a palavra de ordem: 'nenhum direito a menos'", disse José Boaventura Teixeira, educador popular e integrante da Cáritas Arquidiocesana de Brasília.
Um dos organizadores do ato, Teixeira explicou que o Grito dos Excluídos nasceu da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e, ao longo de mais de duas décadas, sai às ruas no 7 de setembro para denunciar a injustiça social. "É uma prática que, de certa forma, sempre foi feita com o envolvimento de grupos populares e fortemente da Igreja, na perspetiva da opção pelos pobres e pelos excluídos, que é uma mensagem antiga e que está sendo fortalecida pelo papa Francisco", relembrou.
Apesar de nem a polícia nem a organização do movimento terem divulgado o número de participantes, Teixeira diz que número de participantes diminuiu em relação aos 10 mil manifestantes do ano passado. Para ele, a situação reflete o desânimo provocado pela crise política e pelo comportamento da mídia. "A mídia não tem incentivado, de forma alguma, a participação política, a organização do povo para repensar [a sociedade]. Ao contrário, a mídia tem levado a sociedade a ficar cada vez mais descrente com a Política, em letra maiúscula", criticou. Ele acrescentou que Executivo, Legislativo e Judiciário também têm efetivado ações importantes sem a participação popular.
Rio de Janeiro
No Rio de Janeiro, o 23º Grito dos Excluídos saiu pouco depois de 12h da Rua Uruguaiana e seguiu pela Avenida Presidente Vargas até a Avenida Rio Branco, logo após o fim do desfile cívico-militar de 7 de setembro. A passeata ocupou cerca de um quarteirão e chegou à Praça Mauá às 12h30, sem nenhuma violência ou confronto.
Durante o trajeto, muitas palavras de ordem em cartazes, faixas e no carro de som em defesa dos direitos da população e dos trabalhadores e contra as reformas propostas pelo governo. O fechamento do ato está previsto para as 16h, na Cinelândia.
Participaram representantes de diversos movimentos sociais e centrais sindicais, como Frente Internacionalista dos Sem Teto (Fist), Central de Movimentos Populares, Quilombo da Gamboa, SOS Jaconé Porto Não, Movimento dos Atingidos por Barragem, de mulheres, movimentos LGBT, Movimento Contra a Violência na Maré, Movimento Antimanicomial. Também estiveram presentes trabalhadores da educação, da Fiocruz e do setor de óleo e gás, além de representantes dos Fóruns de Saúde do Rio de Janeiro e em Defesa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).
O advogado da Fist, André de Paula, explicou que a manifestação ocorre em todo o país e é o grito da maioria. "É o grito dos excluídos, que é a maioria, denunciando que o Brasil, na verdade, não é independente, mas sim subordinado ao capital internacional. A Fist tem como bandeira denunciar as remoções e despejos. Temos hoje 5 mil prédios vazios enquanto tem pessoas morando nas ruas", disse.
O diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz, Gutemberg Brito, disse que a entidade participa do ato para defender o Sistema Único de Saúde (SUS). "A Fiocruz é de estado, trabalhamos para a população brasileira e a nossa defesa é a defesa do SUS público e de qualidade, contra os retrocessos que temos visto nos últimos tempos no Brasil. Eles tiram os nossos direitos e nós tiramos o sossego deles".
Diretora do Sindipetro-RJ, Ana Patrícia Laier explica que o sindicato é contra a venda de ativos da Petrobras. "Estamos tentando fazer uma reação a essa privatização fatiada da Petrobrás, que vem vendendo os nossos ativos, malha de gás, campos gigantes do pré-sal, como Carcará, agora vai atacar o excedente da cessão onerosa", declarou.
Belo Horizonte
Na capital mineira, movimentos sociais reuniram-se na Praça Rio Branco, em frente à rodoviária, de onde seguiram pelas ruas do centro da capital mineira. A principal bandeira desta edição foi a revogação da reforma trabalhista.
"Foi lançada uma campanha em todo o país para colher assinaturas para um projeto de lei de iniciativa popular que prevê a anulação dos efeitos da reforma trabalhista. Nosso objetivo é construir uma resistência pra impedirmos que as mudanças entrem em vigor em 11 de novembro, conforme a data prevista na lei", explicou Beatriz Cerqueira, presidente da Central Única dos Trabalhadores em Minas Gerais (CUT-MG).
Os manifestantes também protestaram com faixas e gritos de ordem contra o Poder Judiciário, a quem acusam de atuar de forma seletiva. De acordo com Beatriz Cerqueira, alguns partidos estão sendo criminalizados em detrimento de outros. Segundo ela, há pessoas sendo presas apenas com base nas delações e outros, mesmo com provas concretas de corrupção, permanecem soltos. A presidente da CUT-MG também criticou o instituto da delação premiada.
"Honestamente, acho que é um novo mecanismo de tortura. No regime militar, as pessoas eram colocadas no pau-de-arara e forçadas a entregar seus companheiros. Agora, eles prendem as pessoas sem provas até minar a resistência e elas falarem o que os procuradores querem ouvir. E as pessoas acabam falando o que pedem para poder reduzir a pena e restabelecer o mínimo de seu direito à liberdade", reclamou Beatriz.
Também hoje, cerca de 70 famílias sem-teto ocuparam um imóvel na Pedreira Prado Lopes, comunidade na região noroeste de Belo Horizonte. Movimentos sociais ligados à moradia dão suporte à Ocupação Pátria Livre, como foi apelidada. Eles alegam que o local está abandonado há mais de 10 anos e não cumpre função social, conforme estabelecido pela Constituição Federal.
De acordo com os sem-teto, a Polícia Militar ameaçou dar início à reintegração de posse, mas recuou após o governo de Minas Gerais concordar em receber as famílias para uma reunião na terça-feira (12). A Agência Brasil tentou fazer contato com o governo mineiro para confirmar o encontro, mas não obteve sucesso. A PM informou ter sido acionada pelo proprietário do imóvel e foi até o local para atender a ocorrência, mas negou que tivesse a intenção de fazer a reintegração de posse.
Histórico
O Grito dos Excluídos surgiu dentro da Igreja Católica, em 1995, com o objetivo de aprofundar o tema da Campanha da Fraternidade do mesmo ano. Em 1999, o Grito rompeu fronteiras e estendeu-se para as Américas. No Brasil, os atos ocorrem em diferentes cidades, no dia da Independência, e reúnem pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos.

Geddel Vieira Lima é preso em Salvador

Resultado de imagem para geddelA Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira (8) em Salvador, o ex-ministro dos governos Lula e Temer, Geddel Vieira Lima, do PMDB. A operação foi feita três dias depois da apreensão de R$ 51 milhões em um apartamento de Salvador.
A Polícia Federal chegou ao prédio onde mora Geddel Vieira Lima em um bairro nobre de Salvador às 5h50. Os policiais chamaram um vendedor ambulante que passava e um funcionário do condomínio para servirem de testemunhas. Uma hora depois, o ex-ministro foi levado pela PF.
Na operação desta manhã, os agentes fizeram buscas no apartamento da mãe de Geddel, que fica no mesmo prédio onde mora o ex-ministro e também prenderam Gustavo Ferraz, exonerado na manhã desta sexta (8) do cargo de diretor da Defesa Civil de Salvador. Gustavo é amigo e afilhado político de Geddel.
Prisão é para evitar destruição de provas
Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pelo juiz Vallisney Oliveira, da Justiça Federal de Brasília. Essa é mais uma fase da Operação Cui Bono, que apura desvios de recursos na Caixa Econômica Federal. Geddel foi vice-presidente de pessoa jurídica da Caixa entre 2011 e 2013. A Polícia Federal e o Ministério Público Federal dizem que as prisões são necessárias para evitar a destruição de provas importantes para as investigações.
O novo pedido de prisão preventiva veio depois da apreensão de mais de R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador. Segundo o jornal O Globo, a Polícia Federal já identificou impressões digitais de Geddel no dinheiro e no material que acondicionava as notas. E que, além do dono do imóvel, uma segunda testemunha confirmou que o apartamento havia sido cedido a Geddel.
A PF também afirmou que outra pessoa ajudava Geddel na movimentação das caixas e malas de dinheiro. Os policiais disseram também que passou a haver risco de fuga depois da maior apreensão do dinheiro vivo já registrada no Brasil.
Geddel já havia sido preso em julho na Operação Cui Bono.
As malas onde estavam o dinheiro foram colocadas numa caminhonete pela Polícia Federal e levadas para o aeroporto. Essas provas seguiram junto com o ex-ministro e Gustavo Ferraz para Brasília
A decisão judicial que determinou a prisão de Geddel Vieira Lima destaca que o ex-ministro continuava praticando crimes - mesmo estando em prisão domiciliar

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

HERESIAS CELESTINAS

Dinheiro achado em imóvel que seria usado por Geddel soma mais de R$ 51 milhões

A Polícia Federal (PF) concluiu no fim da noite dessa terça-feira (5) a contagem do dinheiro apreendido em um apartamento na Rua Barão de Loreto, no bairro da Graça em Salvador, que, segundo a PF, “seria supostamente, utilizado por Geddel Vieira Lima [ex-ministro] como 'bunker' para armazenagem de dinheiro em espécie”. Foram contabilizados R$ 42.643,500 e US$ 2.688 milhões, totalizando, em reais, R$ 51.030.866,40.
Foram contabilizados R$ 42.643,500 e US$ 2.688 milhões. Perfazendo um total, em reais, de R$ 51.030.866,40. O dinheiro foi encontrado pelos policiais ao cumprir mandado judicial de busca e apreensão, emitido pela 10ª Vara Federal de Brasília, dentro da Operação Tesouro Perdido, desdobramento da Operação Cui Bono, cuja primeira fase foi deflagrada pela PF em 13 de janeiro deste ano. Os valores apreendidos serão depositados em conta judicial.
O apartamento pertence, segundo a Justiça, a Silvio Silveira, que teria cedido o imóvel ao ex-ministro, para que guardasse, “supostamente, pertences do pai, falecido em janeiro de 2016". Uma denúncia anônima, feita por telefone, alertou a polícia de que Geddel estaria utilizando o apartamento no bairro da Graça para “guardar caixas com documentos”, o que foi constatado após consultas realizadas aos moradores do edifício.
No documento autorizando a operação, o juiz Vallisney de Souza Oliveira considerou que as práticas precisam ser investigadas “com urgência”, devido aos fatos relacionados a “vultosos valores, delitos de lavagem de dinheiro, corrupção, organização criminosa e participação de agentes públicos influentes e poderosos”. A decisão do juiz, autorizando a operação, foi assinada na última quarta-feira (30).
Operação Cui Bono
A Operação Cui Bono investigou esquema de fraude na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal no período entre 2011 e 2013. De acordo com a investigação, entre março de 2011 e dezembro de 2013, a vice-presidência de Pessoa Jurídica da instituição era ocupada por Geddel Vieira Lima.
A investigação da  Cui Bono – expressão latina que em português significa “a quem beneficia?” – é um desdobramento da Operação Catilinárias, deflagrada em dezembro de 2015, no âmbito da Operação Lava Jato, quando policiais federais encontraram um telefone celular na residência do então presidente da Câmara dos Deputados, o ex-deputado federal Eduardo Cunha, que revelou intensa troca de mensagens eletrônicas entre Cunha e Geddel. A operação tinha a finalidade de evitar que provas importantes fossem destruídas por investigados da Lava Jato.
Atualmente, o ex-ministro Geddel Vieira Lima cumpre prisão domiciliar em Salvador.

sábado, 2 de setembro de 2017

Joesley Batista chama presidente Temer de 'ladrão geral da República'

Brasília - O empresário Joesley Batista, do grupo JBS, chamou o presidente Michel Temer de "ladrão geral da República". Em nota divulgada neste sábado, o empresário afirma que a colaboração premiada é um direito e que o ataque feito a essa prerrogativa revelaria uma "incapacidade" de o presidente se defender "dos crimes que comete."As declarações do empresário foram feitas numa reação à nota divulgada na sexta-feira (1º) pela Presidência da República sobre o operador Lúcio Funaro, que firmou acordo de delação com Ministério Público. Na nota, o Palácio do Planalto chama o empresário Joesley Batista de "grampeador-geral da República."

Procurado pela reportagem, o advogado Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, defensor de Temer, disse que a declaração de Joesley "não merece nenhuma resposta em face da sua origem e do conhecido comportamento absolutamente reprovável do delator".

"A resposta já foi dada pela Câmara dos Deputados, que rejeitou a denúncia (apresentada pelo procurador-geral da República contra o presidente pelo crime de corrupção passiva), baseada na acusação dessa mesma pessoa", afirmou o advogado.

Em nota divulgada na sexta (1º), a Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) desqualifica o operador Lúcio Funaro, que firmou acordo de delação com o Ministério Público, e chama o empresário Joesley Batista de "grampeador-geral da República".

Sob a justificativa de que a "suposta segunda delação" de Funaro apresenta "inconsistências e incoerências próprias de sua trajetória de crimes", o texto diz que Temer se reserva o direito de não tratar de "ficções e invenções" de quem quer que seja. Cita, ainda, que o operador - chamado apenas de "doleiro" - acionou a Justiça, meses atrás, para cobrar valores devidos a ele pelo grupo de Joesley. Foi o dono da JBS quem gravou Temer, em conversa que veio a público em maio.

A Secom destaca que Funaro foi preso há um ano por "ameaçar de morte" a seus ex-parceiros comerciais e diz não estar claro como se deu sua "conversão" diante do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Em tom de ironia, a nota pergunta qual "mágica" teria feito o operador, "que traiu a confiança da Justiça e do Ministério Público", para ganhar agora credibilidade. Não é só: lembra que ele já foi classificado pelo MP como "uma pessoa que tem o crime como modus vivendi".


apurou que a delação de Funaro atinge não apenas Temer e o governo, como várias figuras de expressão no PMDB. "Diante da vontade inexorável de perseguir o presidente da República, Funaro transmutou-se em personagem confiável. Do vinagre, fez-se vinho. Quem garante que, ao falar ao Ministério Público, instituição que já traiu uma vez, não o esteja fazendo novamente?", indaga a nota. "Se era capaz de ameaçar a vida de alguém para escapar da Justiça, não poderia ele mentir para ter sua pena reduzida? Isso seria, diante de sua ficha corrida, até um crime menor."

O Palácio do Planalto recebeu informações de que a denúncia de Janot contra Temer será, desta vez, por obstrução de Justiça. Na nota, a Secom menciona o diálogo gravado clandestinamente por Joesley para sustentar que o presidente "jamais" obstruiu a Justiça.

"A gravação usada pelo seletivo acusador desmente a acusação. Outro agravante é o fato de o grampeador-geral da República ter omitido o produto de suas incursões clandestinas ao Ministério Público. No seu gravador, vários outros grampos foram escondidos e apagados. Joesley mentiu, omitiu e continua tendo o perdão eterno do procurador-geral. Prêmio igual ou semelhante será dado a um criminoso ainda mais notório e perigoso como Lúcio Funaro?", provoca a nota.

A primeira denúncia contra Temer, por corrupção passiva, foi rejeitada pelo plenário da Câmara em 2 de agosto e a segunda acusação deve ser apresentada nos próximos dias por Janot, que deixa o cargo no próximo dia 17. Na contra-ofensiva, o presidente disse que os irmãos Batista refizeram sua delação, "demonstrando terem mentido e omitido fatos, sobretudo em relação às falcatruas com o BNDES".

Na avaliação do Planalto, os delatores prestaram falso testemunho na Operação Bullish e puderam, "camaradamente", 'corrigir' suas mentiras ao procurador-geral. "Sem um puxão de orelhas sequer", diz o texto divulgado pela Secom.
Reprodução TV/Vanessa Carvalho/AFP/Reprodução