sábado, 3 de março de 2018

Médica com doença rara se despede no Facebook e viajaria à Suíça para “suicídio assistido”

A oftalmologista Letícia Franco, de Cuiabá, que sofre da doença rara auto-imune chamada dermatopolimiosite, se despediu da família e amigos em uma postagem no Facebook nesta semana, dizendo que em breve viajaria para a Suíça.

Médica com doença rara se despede no Facebook e viajaria à Suíça para “suicídio assistido”A médica irá cometer “suicídio assistido” em uma clínica no país, onde isto é permitido. Uma amiga de Letícia contou que muitas pessoas tentaram convencê-la do contrário, mas que a médica não conseguia mais lidar com a dor da doença e decidiu pelo procedimento.

De acordo com Raianne Leal, amiga de 
Letícia, a postagem foi feita na quarta-feira (28) no perfil da médica no Facebook. Ela teria dito que em alguns dias estaria na Suíça, “fazendo o que me deixará livre da dor e do medo”.
“Ela postou fotos dela no hospital, fotos do gato dela que ela amava muito, e da família dela. E fez um pedido de desculpa, mas ela queria ter um final digno. Ela falou que estava partindo na quinta-feira, ia desativar o Facebook e disse adeus”, contou a amiga.

A postagem de Letícia já foi apagada de seu perfil. Em todas as redes sociais seus perfis são bloqueados.

Na Suíça, a assistência ao suicídio é permitida desde 2001, no entanto, o critério é que o pedido de assistência seja sério e repetido durante algum tempo e sempre para um paciente que tenha uma doença incurável, com morte previsível.

No dia do procedimento proporciona-se uma solução com 10 gramas de pentabarbital de sódio misturada com um suco que o paciente deve, necessariamente, ser capaz de ingerir com suas próprias forças. Se não fosse assim, se trataria de uma eutanásia e não de suicídio assistido.

Raianne contou que desde que a conhece a médica, ela sempre sentiu muitas dores.

“Ela tem desde muito nova, só que ela vai piorando com o passar do tempo. Faz a pessoa sentir muitas dores, dores fortes. É uma doença rara, poucas pessoas sofrem como ela. Ela já foi até pra fora do Brasil para tentar tratamento”.

A amiga contou que já há algum tempo não estava próxima a Letícia, já que mudou de cidade, mas que a médica era uma pessoa com coração bom.

“Ela era sozinha, morava sozinha. Sempre foi muito triste e depressiva. Quando eu mudei de Cuiabá nos afastamos, mas antes saíamos muito. Ela era uma pessoa maravilhosa, coração bom, ajudava todo mundo. Mas é a vida, ainda tenho esperança de Deus operar um milagre, só ele”.

Na clínica Eye Care, onde a médica atuava, ela já não trabalhava por estar de licença médica. Raianne ainda disse que muitas pessoas tentaram convencer Letícia do contrário, mas ela não mudou de ideia. Ela acredita que a amiga já deve estar a caminho da Suíça neste momento

Dermatopolimiosite

A dermatomiosite, também conhecida como dermatopolimiosite, é uma doença crônica que se caracteriza por acometimento inflamatório da pele e dos músculos. Eventualmente pode apresentar-se apenas com manifestações musculares (polimiosite, mais freqüente em adultos que em crianças), e mais raramente, apenas com manifestações cutâneas (dermatomiosite amiopática).

Não há causa conhecida. O desenvolvimento da doença está relacionado a um distúrbio imunológico e associado a uma predisposição genética, que resultam em um processo denominado vasculite (inflamação dos vasos sangüíneos), de caráter crônico. Infecções por vírus ou bactérias podem preceder o aparecimento dos sintomas. No entanto, o papel destes agentes no desencadeamento da doença ainda é motivo de pesquisa.